GNL: uma nova escola de pensamento para a Universidade de West Indies

ESTUDO DE CASO

Uma nova escola de pensamento

Fornecer electricidade, aquecimento e refrigeração para 15.000 estudantes cheio de energia estava a resultar em elevados custos energéticos para o Campus de Mona da Universidade de West Indies (UWI)1 em Kingston, Jamaica. Quando a universidade estava pronta para fazer uma mudança na forma como fornecia energia ao campus, a New Fortress Energy (NFE) estava lá para fazer a transição com gás natural liquefeito (GNL), passando com nota máxima.

UWI equipment

Primeiro Dia de Aulas na UWI

A UWI tinha duas motivações principais para encontrar uma nova forma de fornecer energia ao seu movimentado campus:

  • Economia: A UWI extraía mais de 25.000 mega watts-hora por ano da rede eléctrica jamaicana e consumia 700.000 galões de gás de petróleo liquefeito (GPL) por ano para os seus refrigeradores de absorção. Com uma única distribuidora de energia fornecendo a rede jamaicana, a UWI não tinha nenhuma vantagem para negociar tarifas de electricidade mais baixas.
  • Ambiente: Como líder de pensamento, a UWI procurou encabeçar a transição para uma fonte de energia mais limpa e com baixo teor de carbono para criar um “campus verde e progressivo.”

Como uma universidade que serve milhares de estudantes e funcionários, a UWI também precisava assegurar uma transição oportuna e sem problemas, impacto mínimo e ausência de riscos de segurança durante as actividades iniciais de construção e fornecimento contínuo, confiabilidade do novo abastecimento e uma pegada ambiental reduzida.

Selecção do Curso

A UWI decidiu passar a produzir energia localmente. Depois de considerar combustíveis à base de petróleo, como o GLP, que já estava a utilizar, e o fuelóleo pesado (FP), a universidade decidiu que a pegada de carbono dessas opções ainda era demasiado grande. A NFE colaborou com membros da equipa sénior da UWI para criar uma solução usando GNL para reduzir os custos e diminuir significativamente as emissões de carbono relativamente às alternativas, criando ao mesmo tempo um ambiente mais limpo e mais saudável no campus. Através desta solução de serviço completo, a NFE geriu todas as etapas do processo, atenuando quaisquer preocupações sobre a mudança para um novo combustível.

UWI equipment

A Resposta é Tão Fácil Quanto GNL

Para permitir à universidade testar a solução e a parceria antes de se comprometer com uma transição completa, a NFE liderou uma abordagem em duas fases:

  • 1.ª Fase: Transição de Refrigeradores de GLP para GNL
    Em apenas quatro meses, a NFE financiou e concluiu um projecto-piloto para converter os refrigeradores de absorção da UWI de GPL para GNL, obtendo a aprovação da UWI para avançar para a segunda fase.2
  • 2.ª Fase: Geração de Electricidade no Local Através de Produção Combinada de Calor e Energia
    A UWI financiou a construção de uma central de produção combinada de calor e electricidade (CHP) no local. A NFE identificou terrenos adequados para minimizar qualquer impacto sobre os estudantes e funcionários, e também providenciou modelagem financeira, bem como economia de custos e análise de custo do ciclo de vida. Hoje, a NFE abastece a central CHP com GNL.

Um Boletim de Nota Máxima

O GNL pode ser incolor, mas a solução de GNL da NFE passou com cores vivas na UWI. Veja estes números:

  • A nova central CHP reduziu os custos totais de electricidade e refrigeração em mais de 40%, poupando mais de $2MM por ano.3
  • A conversão resultou numa redução de 22% nas emissões de CO2 - o equivalente a plantar mais de 95.000 árvores por ano.4
  • A UWI também reportou redução do tempo de paralisação para manutenção, o que, por sua vez, aumenta a confiabilidade para estudantes e funcionários na busca de objectivos de ensino superiores.5

Em parceria com a NFE, a universidade está agora a proporcionar um campus mais saudável, dando ao mesmo tempo um exemplo a outras instituições locais. É um teste que a NFE se orgulha de ter passado com nota máxima, tanto para a UWI como para o início de um futuro mais brilhante para a entrega de energia em todo o mundo.